Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Gestor de Projeto Moderno

O Gestor de Projeto Moderno

28
Ago19

Como geres a tua atenção?

Luís Rito

Olá a todos 

 

Hoje quero falar-vos de um dos recursos mais escassos que temos nas nossas vidas. Se tens vindo a acompanhar o meu blog, sabes que te falo sempre de um recurso muito importante, o tempo. Contudo, hoje vamos falar de algo que quanto a mim é tão ou mais importante que o tempo, a nossa atenção. Antes que te comeces a interrogar o que quero dizer com atenção, pensa um pouco comigo. Já reparaste que algumas pessoas têm picos de produtividade enormes pela manhã, enquanto outras o têm pela noite? Decerto sabes em qual te inseres, normalmente pessoas mais madrugadoras têm uma energia superior pela manhã, enquanto que pessoas mais noctívagas abominam acordar cedo, e muitas vezes fazem noitadas a estudar ou a trabalhar.

 

Esses picos de energia que te falei não são mais que reservas de atenção de que dispões diariamente para fazeres as tuas tarefas do dia a dia. Pois é, a tua atenção diária é finita, e apesar de acharmos que somos muito eficientes, na realidade o teu pico de atenção máxima é bastante curto. Somos seres humanos e não máquinas, motivo pelo qual é fisicamente impossível alguém apresentar níveis de atenção máxima durante horas a fio (pelo menos de forma natural). Os nossos níveis de atenção oscilam durante o dia, entre atenção máxima, atenção média e atenção baixa.

 

stay-focused.jpg

 

Dou-te abaixo um exemplo do que pode acontecer com uma pessoa madrugadora que tem muita energia pela manhã:

 

9h - 11h: Atenção máxima

11h-13h: Atenção média

14h-15h00: Atenção baixa

15h00-17h00: Atenção média

17h00-18h: Atenção baixa

 

Se analisares bem o teu dia, vais perceber que o teu período de atenção máxima é normalmente baixo, 2 ou 3 horas no máximo. O restante divide-se entre atenção média e atenção baixa. Quero só clarificar que atenção baixa não significa que deves relaxar e não fazer nada, mas sim que deves executar tarefas onde não necessites de muito "poder de processamento". Importa agora definir o que se entende por atenção máxima, média e baixa, e que tipo de trabalho deverias estar a realizar em cada uma dessas fases.

 

Atenção máxima - Período onde te encontras com um foco total e com vontade de conquistar o mundo. Este período é o ideal para executares tarefas que exigem de ti decisões difíceis, planeamentos complexos, pensamento criativo, produção de novos conteúdos ou materiais, ter conversas difíceis, reuniões vitais, etc.

 

Atenção média - Período onde te encontras "ligado", mas onde te distrais com alguma facilidade, onde o teu pensamento foge regularmente para outros pontos e onde por vezes tendes a fazer as coisas bem mas noutras acabas por facilitar. Este período é ideal para tomares as decisões do dia-a-dia, fazeres pesquisa na internet sobre algum tema importante, responderes aos teus emails, ires a reuniões recorrentes, etc. Aqui cabem a grande maioria das tarefas do dia-a-dia.

 

Atenção baixa - Durante este período estás completamente fora. Estás sem força de vontade para fazer o que quer que seja e a tua atenção está nos mínimos. Fazer tarefas complexas e difíceis torna-se algo quase impossível, já que vais sentir imensa dificuldade. Este período é ideal para fazeres tarefas rotineiras onde não necessitas de pensar muito, como por exemplo submeter despesas, arquivar/organizar email ou secretária, ir a reuniões que não são do teu interesse mas que não consegues evitar, beber café , etc. Tenta fazer tarefas em que podes estar em piloto automático (como quando conduzes o teu carro).

 

Já deves ter percebido que deves proteger a tua atenção máxima como se de ouro se tratasse. Tens que identificar em que parte do dia é que estás completamente no teu melhor, e deixar o trabalho pesado para essas alturas. O maior erro que podes fazer é gastar esse período em tarefas que deverias por exemplo estar a fazer quando os teus níveis de atenção são médios ou baixos. É como matar uma mosca com um canhão! Sê muito protetor com essas poucas horas de atenção máxima de que dispões. Tenta já amanhã identificar esse período, e no dia seguinte deixa uma tarefa difícil para executares no teu período de atenção máxima. Aposto que a vais executar sem qualquer tipo de problema e com uma qualidade superior.

 

Lembra-te de uma coisa, enquanto trabalhadores pensantes (knowledge workers), pagam-nos acima de tudo para pensar em melhores formas de fazer o nosso trabalho e ser criativos. O teu maior foco deve ser em pensar a melhor forma de realizar uma tarefa (utiliza o período de atenção máxima), já que depois quando chegar a parte da execução, poderás utilizar períodos de atenção média ou baixa. Se pensares bem antes de realizar uma tarefa, vais perceber que efetivamente executá-la é fácil, basta aplicares a estratégia que definiste. Não caias no erro de começar algo sem que penses bem na melhor forma de o realizar, é muito provável que venhas a perder tempo no futuro.

 

E tu, qual o teu período de atenção máxima, média e mínima?

 

Por hoje é tudo, até à próxima 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Livro Liberdade Financeira